PT | EN
PT | EN

FILIPE RAPOSO - CONCERTO PARA PIANO E ORQUESTRA | Loulé

Na continuidade daquela que é também a missão da OCS, estimular a criação de obras originais e contribuir para o desenvolvimento artístico de compositores portugueses, em 2020 foi lançado o convite ao compositor e pianista Filipe Raposo para compor uma obra para a Orquestra Clássica do Sul. O resultado foi a peça que escutaremos neste concerto que conta com o próprio compositor como intérprete solista. À sua obra juntam-se ainda a Sinfonia nº1 de S. Prokofiev e Três Peças em Estilo Antigo de G. Górecki. Sem dúvida, um concerto excecional.

 

Notas ao Programa

 

S. PROKOFIEV: Sinfonia nº 1 em Ré maior, op. 25, 'Clássica'

Pode-se afirmar que esta peça é de uma transparência semelhante à de um diamante finamente lapidado. Com data de 1917 e composta em ré maior - tom popular e luminoso do século XVIII – Prokofiev (Sontsovka, atualmente Krasne, região de Donetsk, Ucrânia, 23 de abril de 1892 – Moscovo, 5 de março de 1953) decide seguir o modelo das sinfonias de Mozart e Haydn. Dividida em quatro andamentos conforme a tradição clássica, cada um deles é tão compacto que a sinfonia completa não vai além dos quinze minutos. O Allegro de abertura encontra-se repleto de ironia que evoca tanto Prokofiev como Haydn. O Larghetto do segundo andamento transporta-nos ao movimento de dança muito característico da sinfonia clássica. Para o terceiro andamento, em substituição do previsível Minuetto, Prokofiev opta por incluir uma divertida Gavotte, cujos intervalos de oitava presentes na melodia lhe conferem um caráter quase cómico. O Finale, dada a recorrência das sequências harmónicas de acordes maiores, apresenta-se numa escrita musical rápida, virtuosa e muito brilhante.

 

 

H. GÓRECKI: Três Peças em Estilo Antigo

Deste compositor polaco da segunda metade do séc. XX, conhecido pela sua identidade musical de elevada expressividade emocional, ativa e rica nas mudanças tímbricas orquestrais, apresentamos Três Peças em Estilo Antigo. Compostas em 1963 para orquestra de cordas, são de linguagem musical neo-modal com características minimalistas. Nestas peças Górecki combina algumas técnicas de composição musical moderna com elementos de origem folclórica, num resultado de grande densidade musical. Este efeito é construído através do aumento gradual e quase impercetível da intensidade que cresce até um clímax, e da exploração da rica paleta tímbrica dos instrumentos de cordas.

A primeira peça desenvolve-se lentamente numa massa sonora contemplativa. A segunda peça, por contraste, ritmada e vigorosa, evoca a música e dança medievais, com ritmos repetitivos quase hipnóticos. A terceira peça faz-nos regressar ao ambiente contemplativo da primeira.

Nestas Três Peças em Estilo Antigo Górecki partilha com a audiência um pouco da sua profunda fé católica através da atmosfera espiritual da sua música.

 

FILIPE RAPOSO: Concerto para Piano e Orquestra

 

Pelas palavras de Filipe Raposo: Compor é uma empresa de elevada envergadura, onde tentamos traduzir através de uma gramática de sons a forma como percecionamos a realidade – o indizível. Através da poesia encontro uma forma de criar uma ponte entre o momento primordial da criação e o momento da fruição. Uma das formas poéticas que melhor sintetiza o momento poético é o Haiku – construído por três versos, com uma métrica rigorosa (5, 7, 5), cria uma estreita relação entre a simplicidade da existência e a contemplação da natureza e do momento. Tenta traduzir o indizível, através de uma síntese dos sons e dos símbolos, é uma forma de canto onde ritmo e melodia se entrelaçam, harmonia e textura.  Assim, gosto de pensar neste concerto como um gesto de síntese (também tripartida), onde procuro traduzir este momento com a mesma simplicidade poética.

 

 

Programa


S. PROKOFIEV (1891 – 1953)

Sinfonia nº 1 em Ré maior, op. 25, 'Clássica'

 

H. GÓRECKI (1933 – 2010)

Três Peças em Estilo Antigo

 

[intervalo]

 

FILIPE RAPOSO (1979)

Concerto para Piano e Orquestra

I. Em silêncio o rochedo – Andantino
II. Vê chegar e partir – Adagietto
III. As estações – Presto

 

 

Orquestra Clássica do Sul

Rui Pinheiro, Maestro titular

Filipe Raposo, Solista (piano)

 

55 minutos, Duração


20/08

LOULÉ

Cineteatro Louletano

21h30

Bilhetes: 10€

Informações: 289 400 820

 

Coprodução OCS & Município de Loulé, Organização

voltar a programação regular

A IDADE DE OURO DA SINFONIA VIENENSE | Faro

08/10
Faro
Museu Municipal de Faro
18h00

saber mais

AO SOM DE VIOLINOS | Algoz

16/10
Algoz
Local a confirmar
17h00

saber mais

Se deseja receber notícias sobre futuros eventos, subscreva a nossa newsletter

Morada
Rua João Brito Vargas
Casa das Figuras
8005-145 Faro
Siga-nos